De usuário ao colaborador e além

_Este post foi escrito por Licaon_Kter, um dos colaboradores do F-Droid’s. Para apoiar o trabalho do Licaon_Kter e outros colaboradores, por favor considere doar ao F-Droid. Estamos querendo levantar €1,200 por semana, para que Licaon_Kter pode continuar contribuindo em tempo integral.

Apenas usuário

Há mais de 20 anos comecei a usar software livre. Fazendo dual-booting para testar as distros do GNU/Linux e decidi ficar com Slackware por alguns anos. Como o WINE estava sempre melhorando, havia poucas e poucas razões para fazer dual-boot e mudei ao Debian removendo completamente a partição do Windows. Como sempre estava a 15 minutos ou menos de um PC conectado à internet, não me importava com os celulares. Sim, configurei alguns dispositivos para a família, mas até ter meu próprio aparelho antigo, não sabia porque o Android tinha software livre e o iOS não.

Este meu antigo celular estava funcionando bem, mas eu tinha ouvido falar sobre os fóruns XDA e comecei a brincar com ROMs personalizados do Android, mergulhando em Gapps, rooting e AFWall+ e isso me esclareceu muito como o Google faz seu dinheiro com a licença “grátis” do Android.

XDA mencionou “lojas de aplicativos alternativos”, mas estas geralmente armazenavam apps copiando-os da loja do Google Play, então estava evitando o rastreamento, mas sempre tinha esta preocupação constante de que os APKs pudessem ser infectados por algum malware. E aí o F-Droid apareceu no meu radar e levei apenas algumas horas, com pausas, para analisar cerca de 1.200 descrições de aplicativos no site e instalar alguns apps interessantes (lançador KISS, cliente XMPP Conversations etc).

Virei colaborador

Até conhecer o F-Droid não estava contribuindo de volta ao FOSS, e não me preocupei com listas de correio, principalmente porque sentia que poderia parecer meio burro relatando pequenos problemas lá. O F-Droid tem detalhes do aplicativo que incluem os links para o site do app, fonte, rastreadores de problemas e muito mais. Dei uma olhada naqueles e vi que outros “n00bs” (amadores) estavam relatando, então assim como comecei a fazer o mesmo.

Minhas contribuições começaram com reclamações básicas. Sempre temos nossas preferências sobre como queríamos que as coisas funcionassem: pequenas correções de conteúdo, traduções para meu idioma específico (mantenho cerca de uma dúzia agora) e até mesmo algumas tímidas mudanças de código. E isso me levou ao F-Droid Data porque os aplicativos que usei foram atualizados e seus metadados precisavam ser mantidos ou as vezes as complicações tinham falhado por algum motivo relativamente fácil de consertar. Revisão trás revisão, acabei fazendo mais de 2.500 deles!! (Aqui pode ver como contar: git clone https://gitlab.com/fdroid/fdroiddata;cd fdroiddata;git shortlog -s -n)

F-Droid Data é o sangue do F-Droid. Servidor o usa para compilar os aplicativos, Cliente e Site o usa para mostrar informações dos aplicativos e os desenvolvedores e colaboradores dos aplicativos o usam para editar conforme necessário. A adição e atualização de aplicativos ecoa através do F-Droid e você acaba contribuindo também ao Cliente e Servidor, principalmente relatando problemas, mas também tentando corrigi-las [2].

Em 2016 já conseguia averiguar em minha cabeça quais apps serão compilados, quais problemas eles enfrentam e ainda ter tempo para compilá-las/testá-las/consertá-las. Hoje o F-Droid tem mais de 3.800 aplicativos no repositório principal e proporcionalmente mais necessidade de atenção.

E chegou 2020…

Mesmo antes de contar meu número de contribuições, por volta do final de 2019, se me ocorreu que quero fazer isso melhor e não apenas no meu tempo livre de acordo com a minha vontade [3]. Mas dado como 2020 desdobrou, era melhor não procurar nada naquela época. Foi um ano realmente complicado para todos.

Neste altura estava recebendo mais de 200 e-mails por dia de projetos no F-Droid e muitas vezes levava mais de uma hora só para ordená-los, mesmo quando o fazia de forma bastante dedicada. Eu só respondia quando podia ajudar com conselhos rapidamente; não tinha tempo para cada app e seu problema. Mantive contato com alguns colaboradores via XMPP e lá me pediram para ajudar a testar receitas de metadados de apps e aplicar correções de aplicativos. Além disso, após cada ciclo principal de compilações no servidor [4] Tentei arranjar tempo para olhar apps que não tiveram sucesso: talvez a nova versão do Gradle ainda não estava disponível ou talvez algumas linhas removidas via sed mudassem, se a solução não for tão fácil, então versões específicas de aplicativos eram desativadas e tentava informar isso aos desenvolvedores upstream [5].

Abri o Markor muitas vezes antes de começar a escrever qualquer coisa, quero dizer, o que devo escrever exatamente?

Um caminho a seguir

Nessa época, o F-Droid estava celebrando 10 anos da existência [6] e comecei a escrever meus pensamentos como acima. Demorou meses para entender a coragem e poder formular o que realmente queria dizer, perguntei por aí: “E se?”, “como?” e “isto faz sentido?”. E descobri que outros vêem o F-Droid como um projeto tão importante quanto eu; a FSF estava pedindo aos usuários que selecionassem o que eles chamavam de “Projetos de Alta Prioridade” [7] e durante a conferência LibrePlanet 2021 da primavera o vídeo com a “Lista de Projetos de Alta Prioridade da FSF” [8] realmente trouxe um sorriso no meu rosto: o F-Droid não era apenas um nome em um slide, mas também a base de muitos outros projetos. O ano de 2021 também representou 20 anos de FSFE e quase 10 anos desde que FSFE lançou sua campanha “Liberte Seu Android!” [9] que ainda é cuidadosamente lembrada.

O F-Droid é minha loja de aplicativos padrão. O foco de 2020 acabou sendo em parte sobre a mobilidade humana e os computadores que nos ajudam a fazer nosso trabalho e nos permitem jogar onde quer que estejamos, tornando sua saúde a maior importância para mim. Estou escrevendo isto em um celular (via Markor), vou pedir um feedback através de um aplicativo hospedado no F-Droid ou seja XMPP (Conversations) e estou subindo este post via git (em Termux) a partir do mesmo dispositivo. Embora um teclado adequado seja uma necessidade para muitas coisas, ter a potência e a conveniência de um dispositivo de computação em uma mão é um dado adquirido até agora.

O artigo do NYTimes “Bem-vindo à Economia YOLO” [10] ressoou um pouco comigo, não me interprete mal a edição YAML não é exatamente a coisa de ‘você só vive uma vez’. Eu queria ajudar a crescer e expandir o catálogo de apps no F-Droid e o tornar uma ecossistema melhor em geral. Eu precisava de tempo para me concentrar no que tem que ser feito. Dedicar tempo para acompanhar as inclusões/atualizações de aplicativos e os problemas/correções presentes até a sua conclusão e isso é um trabalho a tempo integral. Eu tenho contribuído nos últimos 6 anos e estou aqui há muito tempo. Trabalhar em tempo integral com F-Droid é um grande salto de fé para mim e preciso de todo o apoio possível para fazer e manter este esforço real.

Primeiros passos

A descentralização é um princípio fundamental do F-Droid. Cada componente do ecossistema está disponível como FOSS e pode ser usado por qualquer pessoa para hospedar seu próprio repo, construir qualquer aplicativo e ter seu próprio cliente de loja de apps da maneira que gostaria ter. Felizmente, outros na internet também compartilham estes valores. A partir do ano passado, a Filecoin Foundation para a Web Descentralizada (FFDW) estabeleceu uma parceria com o F-Droid para melhorar a “Descentralização da Distribuição” [11].

Como parte desta concessão, me tornei uma espécie de “Mantenedor-em-Residência”.” [12]. Meu papel no F-Droid não sofreu alterações e meu fluxo de trabalho já está estabelecido, trabalhando com o F-Droid Data, RFPs e o Fórum. Isto inclui:

  • Problemas de triagem e pedidos de inclusão
  • Teste de compilação de apps e feedback para desenvolvedores
  • Relatar os problemas encontrados durante o uso do cliente/serviço
  • Respondendo perguntas e gerenciando usuários nos fóruns do F-Droid
  • Assistir às reuniões semanais de devs
  • Revisão de notícias
  • Ținerea la zi a traducerii în limba Română!

Levou algum tempo para se organizar para poder trabalhar em tempo integral com o F-Droid, bem como para superar o sentimento inicial de espanto de que fazer este trabalho em tempo integral é possível.

Próximos passos

“Manter” significa garantir o necessário à sobrevivência, dar apoio e é algo a ser celebrado. Outros também concordam [13] mas a subvenção do FFWD cobrirá apenas uma parte deste ano e quando esses fundos se esgotarem precisarei procurar outras fontes de renda para poder continuar contribuindo com o tempo [14] Gastei com o F-Droid.

O site de doações ao F-Droid [15] lista todas as formas que se pode contribuir: seja em Euro ou Dólar, seja diretamente através de bancos ou serviços digitais, seja através de Patrocinadores no Github ou criptomoedas descentralizadas. E doações podem ser feitas como únicas ou recorrentes. Dizem “é preciso uma aldeia” ( certo? ) portanto, se houver vontade de ajudar, como as adições/ofertas nutritivas e saborosas dos moradores para a “sopa de pedra” há muitos meios e oportunidades para fazer isso.

Somando as doações semanais ao F-Droid de todas as fontes, estamos recebendo cerca de 460 euros por semana. Para permitir que possa sustentar meu trabalho aqui, o objetivo é levantar cerca de 1.200 euros por semana. Seguimos princípio “sem contas de usuário, por definição” [16] por isso, não podemos saber quantos de vocês estão usando o F-Droid, mas ao interagir com alguns usuários e desenvolvedores sabemos que há muitos por aí. Se os usuários doarem apenas um pouquinho, este objetivo seria alcançado num instante.

Clique aqui para doar ao F-Droid!

Absolutamente agradecemos a divulgação do F-Droid, e se sinta à vontade para mencionar nosso projeto no Fediverse, fale conosco nos Fóruns ou participe em discussões através de seu protocolo preferido.